11/11/2009



O perfume das virgens ruivas

Naquela época eu trabalhava no jornal Diário do Pará e na revista Enfoque Amazônico, hoje, Amazon View. À noite, eu estava quase sempre no café de um amigo meu, na Avenida Nazaré, quase ao lado da Basílica, onde ele era o barman.

Inferno Verde

O conto Inferno Verde foi publicado inicialmente no livro Trópico Úmido, de 2000, e depois em O casulo exposto, à venda nos sites e redes de livrarias Saraiva, Cultura e Leitura. Segue-se trecho, ambientado em Brasília, desta história curta que se desenrola ainda em Belém e na ilha do Marajó, no estado do Pará.

O homem que mais entende de Amazônia em todo o planeta

Qualquer estudioso que pretenda entender o Brasil não pode se furtar a compreender também a Amazônia, a mais rica província biológica e mineral do planeta, e de uma beleza arrebatadora para quem aprende a vê-la além do coração das trevas.

Mulher no chuveiro

Sentado no vaso, eu a observava através do vidro molhado que a isolava de mim, à distância de um metro, sob a ducha. Seus gestos eram langorosos. Lavou os cabelos com xampu, longamente, e depois pôs-se a deslizar espuma de sabonete na sua pele.
O rio azul da tarde

Eu tinha 19 anos quando vi pela primeira vez uma orquestra, em 1973, no Teatro da TV Globo, no Jardim Botânico, bairro da Cidade Maravilhosa. Até então, a música mais requintada que já ouvira com atenção fora a dos Beatles.

Os honoráveis bandidos

Varri da minha memória os honoráveis bandidos, consciente de que Reinaldo Azevedo, Augusto Nunes e Diogo Mainardi contam com uma trincheira competente, e retirei-me para o hotel. Embora o hotel seja atingido de vez em quando, lá dentro há música, bebida, espiões, com suas informações ambíguas, e belas correspondentes de guerra.

O cheiro do desencanto

Todo repórter policial guarda na memória o cheiro das delegacias de polícia. Elas cheiram a antiguidade, a ácido úrico, a sangue, a sonolência, arrogância, pólvora, objetos quebrados, carro velho, poeira, espera, crimes sem solução, arquivo, diálogos que se ouvem em qualquer repartição pública, choro, gritos, ódio, desencanto.

Mulher em vestido de seda

Não estava pensando em coisa alguma. Deixava-me caminhar sentindo os raios de sol nas frestas das árvores, embalado pelo canto dos pássaros e flutuando na sensação do não pensamento quando ela surgiu, de repente, no meu raio de visão.

O valor do riso dos que eu amo

Uma conhecida ganhou um bom dinheiro na loteria e deu R$ 100 mil para um sobrinho. Ele comprou um carro zero quilômetro e móveis novos para sua casa. Com o carro, matou alguém, o automóvel da vítima e o seu viraram sucata. Não deu nem para pagar os móveis. Os R$ 100 mil se transformaram em dívidas.

Estética é uma costura no ânus


Estética é uma rosa que se abre, nua, ao sol. O céu, de tão azul, sangra. A Terra gira, vertiginosamente, ao som do Concerto Para Piano e Orquestra em Ré Menor, de Mozart Parte inferior do formulário.

Nenhum comentário: