3/23/2014

APLAUSOS


MARCOS VALÉRIO REIS veio enriquecer a Academia Paraense 
Jornalismo/APJ


  
AAcademia Paraense de Jornalismo/APJ viu-se 
enriquecidacom a eleição de quatro novos “imortais”, como sejam, Ivo Loureiro do  Amaral, Karla Gyselle Catette, Kedima Farias Tavares e Marcos Valério Lima Reis, eleitos na última terça-feira, 18 de março.
Mas é sobre o Marcos Valério que eu quero falar.
Marcos Valério Lima Reis - ou simplesmente Marcos Valério – jornalista e professor universitário, é um grande amigo que eu tenho.
Nossa amizade começou em novembro de 1986 aqui em Icoaraci. 
Na época eu era diretor de Comunicação do Círio de Nossa Senhora das Graças, - função que desempenhei por oito vezes. Na antevéspera da procissão do Círio fui procurado pelo comunicador Marcelo Alencar – atualmente na Rádio Sorriso FM) que informou a intenção da Rádio Nazaré FM – inaugurada sete meses ante, 4 maio de 1996, de cobrir em todos os detalhes o piedoso préstito sempre realizada no quarto domingo de novembro. 
O coordenador do Círio, à época, era o comerciante Evandro Figueiredo Cunha, que facilitou tudo.
Indubitavelmente foi a maior a mais importante cobertura 
rádio jornalística que o Círio de Nossa Senhora das Graças recebeu nesses últimos 17 anos.
Marcos Valério  fazia parte da equipe trazida pelo Marcelo 
Alencar.
Marcos Valério , paraense de Belem, fez carreira na Fundação Nazaré de Comunicação. Começando como “repórter-aprendiz” na rádio, ascendeu a Diretor de Produção  - com ligeira passagem pela SBT - e apresentador do Telejornal Nazaré, o principal noticioso da emissora.
Concluiu o Curso de Letras pela Universidade Federal do 
Pará/UFPa. Fez mestrado em Comunicação Social.  Leciona “Teoria da Comunicação” na Faculdade Integrada Brasil Amazônia (FIBRA) e no Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM).
Possui prêmios nacionais destacados na elaboração e roteirização dos documentários:  Santa Maria das Barreiras, Escalpelamento nos rios da Amazônia, Marujada, Festa de Negros e vários outros.
Um presente - Marco Valério, explica que a experiência na Rede Nazaré de Televisão é um presente; "...pois alia o conhecimento adquirido ao longo da carreira com uma linha de trabalho que proporciona uma reflexão dos valores éticos e morais, somados a um direcionamento que vai ao encontro dos anseios do amazônida, Isso é indescritível”.
E prossegue: “Minhas perspectivas é um continuo aprendizado, seja profissional ou acadêmico, para compartilhar com um fazer jornalístico nestes rincões amazônicos, priorizando o olhar positivo e a boa noticia. Comunicar a Amazônia exige mais que conhecimento; exige um comprometimento com a formação constante do ser humano.
E conclui: “Minha candidatura – e eleição – para a Academia Paraense de Jornalismo/ APJ, além do incentivo dos amigos acadêmicos, é poder contribuir com essa instituição, afim de que os grandes debates que fazem parte desse momento histórico em que vivemos diante de uma comunicação veloz e globalizada, possa orientar os processos comunicacionais e a feitura de uma comunicação ética e verdadeira.”

Os acadêmicos da APJ confiam no novo imortal Marcos Valério Lima Reis.


Seja bem-vindo Confrade.

Um comentário:

Anônimo disse...

MV é uma figura muito simpática e bastante conhecedor da literatura amazônica e afro-brasileira.

Admiro sua forma amável de conduzir seus trabalhos e no trato com as pessoas.

Raul Costa acadêmico Fibra.