7/08/2011

Rufino Almeida



Eleição na APL: Ibraim do Tucupi vence Juracy


Caros Amigos...
Continua a repercussão negativa sobre a derrota do Juraci ou vitória de Pierre Beltrand?
Desta vez é marcos Moraes, um intelectual que embora não frequente as rodas literárias, é um consumidor de livros defensor das artes em geral em nosso Estado do Pará.
A única coisa que lamento é a certeza de que Antônio Juraci Siqueira não se assentará em nenhuma cadeira da APL. Dessa forma, quem perde mais é a nossa Academia Paraense de Letras. Torci muito pelo Juraci, mas como deu a "lógica," fui à recepção desejar ao Pierre, um feliz desempenho.
Vejam a opinião de Marcos Moraes.
Abraços. - R.A.


Por Marcos Moraes do blog Didascália


Sinceramente, é vergonhoso o resultado da eleição na APL (Academia Paraense de Letras). Como pode uma capacidade intelectual como Antonio Juracy Siqueira, perder para um colunista social, como é Pierre Beltrand? Lamentavelmente, como em todos os setores da vida humana, a APL também faz política, e não uma política liberal, mas uma política pró-Liberal, já que Beltrand, ainda hoje é funcionário do jornal dos Maioranas.


Poeta Juracy perdeu para colunista social.


Para quem não conhece Antonio Juracy Siqueira, o Totó do Cajary, homem simples mas de verve imensa, ele é natural do Afuá, na Ilha do Marajo. Juracy é poeta, trovador, escritor, tendo sido autor de uma dos maiores sucessos literários de nosso Estado, o livro "Versos sacânicos", uma sátira ao best seller do escritor indiano Salman Rudshe. Colaborador de jornais e revistas do Brasil inteiro, Juracy tem dezenas de livros escritos, sendo hoje um "escritor profissional", vivendo das letras e da arte de poetar.
Não convence ninguém uma eleição que parece ter sido não por mérito intelectual, mas por "amizade", como bem frisou João Carlos Pereira, também do Grupo Liberal e um dos intercessores para que Beltrand, colunista social, se tornasse imortal.
Sobre a eleição de Beltrand, que muitos podem querer comparar com a do jornalista Merval Pereira para a ABL (Academia Brasileira de Letras), mesmo sendo um dos maiores portavozes da direita mais conservadora desta País, e também um "babão" por José Serra, talvez por ser empregado do jornal O Globo, ele tem que ser respeitado como jornalista e escritor. Não é por ser de direita que se vai tirar seus méritos intelectuais. Beltrand é outra história.
Com a eleição de Pierre Beltrand, certamente Ibrahim Sued, outro "intelectual!" do colunismo social, deve estar tremendo no túmulo, inclusive a pensar: "por que eu não fui também, Senhor?

Nenhum comentário: