4/22/2009


Núbia Santana, Anthony Quinn, Wolfgang Amadeus Mozart

Era um dia azul como devem ser os sábados. Azul escuro, com a intensidade do rio das tardes de julho, na Amazônia, que, de tão azul, sangra. Eram seis horas da tarde. No Sudoeste, onde Núbia reside, às 18 horas são ainda mais místicas, esvaindo-se no silêncio da grande cidade.

Esplanada

O livro O casulo exposto (LGE Editora, Brasília, 2008, 153 páginas, R$ 28), deste autor, enfeixa 17 contos ambientados nas entranhas de Brasília, no seu submundo e no submundo político, uma fronteira de sombra, mas também de luz. Brasília completa 49 anos, terça-feira 21. O conto que se segue é minha homenagem a esta cidade que tanto me deu e continua dando. Homenagem sincera, sem bajulação.

Censura

Nas eleições passadas, o senador maranhense José Sarney usou um funcionário do Senado Federal, advogado, para amordaçar a imprensa de Macapá, estado do Amapá. Agora, a Justiça de Belém do Pará acaba de censurar um site e os jornais diários de Belém, proibida de publicar fotos chocantes de polícia, embora a violência nas ruas de Belém e no interior do Pará exploda e cresça de forma aterrorizante. No caso do site, a Justiça advoga a causa de Luiz Afonso Sefer, um sujeito de meia idade, de família paraense ilustre, que renunciou ao mandato de deputado estadual com medo de ser cassado, acusado de estuprar uma menina do interior, que levou para sua casa, desde que ela tinha 9 anos, até seus 12 anos.

O casulo exposto

Jornalistas conscientes da sua missão vêm, a cada diz, expondo as bandalheiras indefensáveis perpetradas no Senado Federal e na Câmara dos Deputados.

Roriz vem aí

Quatro vezes governador de Brasília, Joaquim Roriz quer governar mais oito anos. Como parte da sua estratégia para voltar, deverá comprar um jornal. O empresário Sílvio Goiano - dono do semanário Brasília Hoje, terceira maior tiragem de Brasília, com 120 mil exemplares por mês, atrás somente do Correio Braziliense e do Jornal da Comunidade - já foi sondado e fez um lance: R$ 5 milhões.

As pegadas de Lula

A CPLP, que quer dizer Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, é uma ilustre desconhecida no Brasil, exceto nos meios diplomáticos, óbvio. Inventada por um brasileiro, sua língua oficial é a lusitana.

Pode dar o cano quem quiser porque não vou mais correr atrás de ninguém

Este conto faz parte das 17 histórias do meu livro O casulo exposto (LGE Editora, Brasília, 2008, 153 páginas, R$ 28), distribuído para todo o país. Em Brasília, pode ser adquirido na rede de livrarias Leitura, presente em vários shoppings da cidade.

Fragmentos da noite

A tarde morria como um rio que se afoga no mar, e nascia a noite, navio de romance ancorado no café do Naoum Plaza. Os cabelos dela eram ruivos, e naturais, e seus ombros lembravam uma estátua de marfim rosa, esculpida na Renascença. Quando me olhou, sonhei.

Nenhum comentário: