4/14/2010

Formação profissional é fundamental para garantir o direito à informação qualificada


A dignificação da profissão de Jornalista se faz com resistência e luta. E neste caminho prosseguimos em defesa do direito da sociedade à informação qualificada, democrática e ética, apesar da fatídica decisão do STF que derrubou a exigência do diploma para o exercício da profissão. Neste 7 de abril, Dia do Jornalista, as bandeiras da defesa de nossa formação e regulamentação profissional e da democratização da comunicação permanecem erguidas e nossas vozes se farão ouvir ainda mais em 2010.
Não é de hoje o empenho patronal em explorar os trabalhadores, precarizar as relações de trabalho e manter sob seu controle, a punho de ferro e da forma mais desregrada possível, o acesso à profissão de Jornalista e a produção e difusão de informações. A defesa que os patrões fazem das liberdades de imprensa e de expressão é uma falácia para encobrir seus interesses mesquinhos e a mercantilização da comunicação.
Seus objetivos se concretizaram na decisão do STF, que confundiu o direito de uma categoria ter sua regulamentação e a exigência do diploma como regra de acesso qualificado à profissão com cerceamento à liberdade de expressão. Mas a grande maioria da sociedade brasileira prossegue apoiando a necessidade da exigência do diploma universitário para o exercício profissional do Jornalismo, como já atestaram diversas pesquisas, consultas e enquetes.
Com o apoio da sociedade e com a ação unitária e conjunta de nossa categoria podemos e devemos ampliar o movimento pela aprovação das Propostas de Emenda Constitucional que tramitam no Congresso Nacional prevendo o restabelecimento do diploma e a luta para que as deliberações da 1ª Conferência Nacional de Comunicação sejam postas em prática, configurando políticas para o setor efetivamente a serviço do interesse público, da desconcentração da propriedade dos veículos e da livre, democrática e plural circulação de informações e ideias.
Estas são as prioridades dos jornalistas em 2010. Estes são compromissos da FENAJ e dos 31 Sindicatos de Jornalistas do Brasil.

Parabéns aos jornalistas brasileiros!

Diretoria da FENAJ

7 de abril de 2010


Atividades em vários estados marcam
o Dia do Jornalista e a defesa do diploma

Atendendo à deliberação do Conselho de Representantes da FENAJ, os Sindicatos de Jornalistas de diversos estados prepararam atividades para a semana em que se comemora o Dia Nacional do Jornalista. A defesa do restabelecimento da exigência do diploma como requisito para o exercício da profissão está presente em todos os eventos. Veja, a seguir, algumas das programações.
Em Salvador ocorreram duas atividades. Às 8h, na Associação Comercial da Bahia, aconteceu um café da manhã e um bate papo sobre a exigência do diploma de jornalismo para o exercício profissional promovido pela Associação Baiana de Imprensa (ABI), com o apoio do Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba), tendo como palestrantes os jornalistas Samuel Celestino e Sérgio Murillo, presidente da FENAJ. Já às 19h, no Hotel Pestana, o Sindicato dos Jornalistas promove o debate “A Comunicação pós 1ª Confecom”, com o presidente da FENAJ e o chefe da Assessoria Geral de Comunicação do Estado (Agecom), Robinson Almeida.
Na Câmara dos Vereadores de Natal, o jornalista e vereador Edivan Martins fez pronunciamento nessa quarta-feira, às 19h, alusivo ao Dia do Jornalista. O Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Norte mobilizou a categoria para fazer da homenagem um ato em defesa do diploma. E na Câmara Municipal de Palmas (TO) houve Sessão Especial do Dia do Jornalista, que aconteceu nessa quarta-feira, às 19h30.

O Sindicato dos Jornalistas do Amazonas lançou nota em seu site nessa terça-feira comemorativa ao Dia do Jornalista. Nela veio a boa notícia do fechamento da Convenção Coletiva 2010, que assegura à categoria ganho de 6,5% nos salários a título de reposição e aumento real, uma média acima da obtida pela maioria das entidades sindicais no Brasil, entre outras conquistas. O Sindicato de São Paulo também lançou nota propondo uma reflexão sobre a importância do jornalismo para o futuro do país. Também com nota oficial, o Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul registra a data.

Em Florianópolis, a Rádio Ponto UFSC, emissora virtual do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, transmitiu um programa especial alusivo ao Dia Nacional do Jornalista. "Profissão: Jornalista" veiculado nos horários das 10h, 12h, 14h, 16h, 18h e 20h dessa quarta-feira e também ficou disponível no site da emissora para acessos.

No Ceará, as comemorações ocorreram durante o VIII Congresso Estadual dos Jornalistas. O Sindicato da categoria homenageou o jurista Paulo Bonavides, primeiro presidente da entidade, e o presidente da FENAJ, Sérgio Murillo, na abertura do evento. Aberta ao público, a solenidade aconteceu no Auditório da Câmara Municipal de Fortaleza, às 19 horas do dia 9 de abril. Logo após, foi servido um coquetel aos convidados em comemoração ao Dia do Jornalista. O congresso teve continuidade nos dias 10 e 11 de abril. "O STF na crise institucional brasileira, o neoliberalismo e a desregulamentação das profissões no Brasil" foi o tema da conferência de abertura, ministrada pelo Prof. Ivo Dantas, Doutor em Direito Constitucional. Na mesa de debates, estiveram o presidente do Tribunal Regional do Trabalho (TRT/7ª Região), Antônio Parente, e o juiz Judicael Sudário, titular da 1ª Vara do Trabalho de Fortaleza.

Já no Pará, o Sindicato dos Jornalistas realizou ato comemorativo ao Dia do Jornalista e o lançamento do Prêmio Jornalista da Amazônia "Raimundo Pinto", em Belém, no sábado, dia 10.

Na véspera do Dia do Jornalista,
patrões dão “presente de grego” em Alagoas

Na terça-feira (06/04), véspera do Dia do Jornalista, os empresários de comunicação deram, em Alagoas, demonstração inequívoca do seu conceito de valorização profissional. Em reunião na Superintendência Regional do Trabalho, apresentaram sua proposta de Acordo Coletivo 2010/2011. Além de negarem aumento real de salários e abono compensatório para a perda do retroativo de 2009, só aceitaram repor metade da inflação acumulada nos últimos doze meses, que deve ficar em 2,2%. E ainda deram o recado: se a categoria não gostar, que procure a Justiça do Trabalho.
O "presente de grego" marcou profundamente os profissionais de imprensa. “Nessa quarta-feira (7 de abril), quando se comemorou o dia da categoria, ao invés dos trabalhadores lembrarem a data com orgulho, lembraram com um sentimento de luto e tristeza, pela falta de reconhecimento e o desrespeito demonstrados pelos donos da mídia”, registrou a nota publicada no site do Sindicato dos Jornalistas de Alagoas.
A proposta da Gazeta de Alagoas, TV Gazeta, TV Pajuçara, O Jornal, Tudo na Hora, Gazeta Web e demais empresas para o Acordo Coletivo 2010/20011 é muito parecida com a do ano passado, quando elas ofereceram ZERO de reajuste salarial. E, de quebra, os patrões deixaram claro que não voltarão à mesa de negociação. Disseram por escrito que, em caso de recusa dos jornalistas, o Sindicato deve ingressar com dissídio no Tribunal Regional do Trabalho.
O Sindicato dos Jornalistas convocou assembléia geral da categoria na segunda-feira (12/04), a partir das 19 horas, na sede da entidade. Na oportunidade foi avaliada a proposta das empresas e definidos os próximos passos da campanha salarial, que incluem a instauração do dissídio coletivo e atividades de mobilização.

Nenhum comentário: