6/14/2014

ELIAS PINTO

Livro reconstitui história do JORNAL PESSOAL




H


oje a série “Minhas Copas” dá uma parada – ontem ficamos lá na Espanha, em 1982, mas a Copa de agora já está correndo solta. O breque no assunto que domina o país é por uma causa mais que justa. Hoje à noite, no Museu da UFPA (Governador José Malcher, 1192), a partir das 18h, a jornalista Maria do Socorro Furtado Veloso lança o livro “Imprensa e Contra-hegemonia: 20 Anos do ‘Jornal Pessoal’ (1987-2007)”, pela Editora Paka-Tatu.


O livro é fruto da tese de doutorado da autora, apresentada na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, em março de 2008. O estudo reconstitui duas décadas (conforme explicita seu título) “da trajetória daquela que é considerada a mais influente e longeva publicação alternativa da Amazônia na atualidade. Trata-se do ‘Jornal Pessoal’, criado em setembro de 1987 pelo jornalista paraense Lúcio Flávio Pinto”. O também jornalista, e professor, Manuel Dutra assina o prefácio do livro. O “Jornal Pessoal” completa, em setembro próximo, 27 anos, no mesmo mês em que seu bravo e heroico (e aqui o qualificativo se aplica plenamente, até pelo recente título de reconhecimento mundial que o Lúcio recebeu) editor chega aos 65 anos de idade. Ainda comentarei, adiante, o livro de Socorro Veloso, pela importância que merece. Mas já deixo aqui a resposta do Lúcio a uma pergunta que lhe encaminhei, que segue “Lúcio, aos trancos & barrancos (e safanões), o JP vem (mais ou menos) sendo descoberto pela mídia nacional, depois, inclusive, do reconhecimento internacional, que os diversos prêmios atestam. A publicação já recebeu alguma atenção no âmbito acadêmico, mas qual a importância desse trabalho da Socorro que, vindo da academia, agora chega em livro?”   


A resposta do Lúcio: “A importância maior está na dedicação de anos da Socorro a esse tema. Ela leu todos os exemplares do jornal em 20 anos, fez entrevistas, realizou pesquisas adicionais e envolveu tudo isso com uma metodologia adequada para contextualizar o JP. É difícil a relação do jornal com o mundo acadêmico. Acho que a maior característica do JP é a atenção que dá aos fatos do cotidiano. Uma vez identificados os itens relevantes e novos da agenda diária da Amazônia, o jornal busca nexos causais, explicativos ou eliminadores dos fatos do dia a dia de uma Amazônia que está (sempre esteve e estará cada vez mais) no mundo. É por isso que ele se torna de vanguarda, como observou o então correspondente do ‘New York Times’ no Brasil, Larry Rohter. Ele teve a honestidade (e mesmo coragem) de dizer nas suas matérias, e, depois, no seu livro (‘Deu no New York Times’) que o JP foi o primeiro a apontar a influência chinesa na Amazônia, particularmente em Carajás. Anos antes eu tinha detectado o deslocamento da influência internacional dos Estados Unidos para a Ásia, naquele momento sendo o agente principal o Japão. Isso aconteceu primeiramente na Amazônia. Como se arrisca a anunciar os fatos novos e a buscar uma interpretação para eles, o JP faz rotineiramente o que os intelectuais cada vez mais se poupam de fazer: arriscar. Às vezes o jornal erra, às vezes acerta. Mas não deixa passar os sinais de mudança, rastreando onde eles ocorrem e como acontecem. Como frequentemente não há fontes secundárias nem bibliografia consolidada, ele se torna a primeira referência (e a primeira vítima). Os intelectuais acadêmicos não gostam de incluir publicações jornalísticas nas suas bibliografias nem arriscar seu conceito. Daí omitirem o JP, mesmo quando o utilizam como base de informações (não citadas). Ao tratar com respeito e seriedade o ‘Jornal Pessoal’, Socorro Veloso lhe conferiu seu sinete acadêmico valorizador”.


• • • • •


N. do R. – o livro foi lançado ontem no Museu da UFPa.

Nenhum comentário: