11/24/2017

CÍRIO DE ICOARACI


Obrigado,   

Senhora das Graças.



       Aldemyr Feio (*)

Dde joelhos aos vossos pés ó Grande Soberana Rainha Mãe e Medianeira de Todas as Graças, venho mais uma vez orar e agradecer por tudo que concedestes a este humilde e indigno filho nesses 365 dias que se passaram, após o nosso último encontro, momento antes de lhe conduzir, juntamente com todos os meus irmãos, pelas ruas desta Vila-Cidade, que é vossa.
Obrigado por tudo me vos me concedestes neste ano; obrigado por me conservar com saúde, pelas minhas conquistas, pela minha aposentadoria após 35 anos servindo com amor e entusiasmo Belém, Outeiro e a minha querida idolatrada Icoaraci, que em 1968 eu apelidei carinhosamente de Vila Sorriso ; e, ainda. pelas muitas oportunidades que me permitites de ser útil à tanta gente que de mim se aproximou. Agradeço, também, pelas coisas ruins que me acorreram...mas... o meu amor por vós foi maior e consegui superá-las.
         Mãezinha do Céu: obrigado por vos me fazer humilde e bom; por me ter permitido viver e poder contemplar mais um Círio de Vossa Graça Santíssima e, assim, poder voz louvar e bendizer a Vossa Majestade, e proclamá-la a todos através do pendor que vos me destes de ver, sentir, fazer e divulgar através das mensagens escritas e sua verdade,  o vosso “Magnificat”.
         Obrigado por abençoar a minha velha casa, bem vividos; por abençoar e proteger a minha Telma, a doce menina dos meus sonhos, razão maior de  minha vida simples, com as suas travessuras, alegrias, esperanças, ilusões e acima de tudo com o seu exemplo.
         Sim, Excelsa e Doce Mãe Celestial, neste ano cuidastes, uma vez mais, da moça que leva o vosso nome, companheira maravilhosa; minha alegria; meu amor, que caminha comigo há 30 anos; que corrige os meus erros; que me dá segurança, conforto, compreensão e que  conduz pelo resto do caminho.
         Mãe do Céu, Grã Rainha, Mãe de Deus, Minha Mãe, agradeço-vos por ter relevado os meus erros - que foram muitos. Fostes sempre o meu refúgio e a minha esperança e o regaço das minhas horas tristes e difíceis, como por exemplo, quando perdi um amigo. Muito mais que um amigo muito querido, a quem aprendi a querer e estimar como se fosse meu irmão – o  major-engenheiro PM Sérgio Roberto Ramos de Oliveira, outro grande apaixonado por vós.
        Ao saber da notícia, de forma insólita, no início da manhã, me senti fragilizado. Mas confiei em Vós. Sob a vossa proteção, me senti com força e coragem e, seguro, fui dar o último adeus ao amigo.
         Lá na Capela do Recanto a jazia num ataúde o meu companheiro de lutas e ideal, com semblante calmo e feliz. Mas parecia com o vosso Filho Jesus, dormindo, aqui na terra... pois naquele momento já se encontrava ao lado dos querubins e serafins.
Com o vosso manto enxugastes as minhas lágrimas, me concedestes o consolo necessário e benfazejo. Através do vosso amor e do rosário bento que o acompanhou até o túmulo, me fizestes compreender naquele momento o mistério da criação; que a vida é curta, e que todos nós, vossos filhos, viemos a este mundo para conhecer, amar e servir o vosso Filho Unigênito e à Sua Igreja. Sérgio Ramos não irá assistir a passagem do Vosso Círio do alto da sua casa na 5ª Rua (Coronel Juvêncio Sarmento) mas do céu, onde se encontra.
         E nem a propósito, amanhã, segunda-feira, 27, Sérgio completa 11 meses de falecido;
         É o destino de todo o cristão, um dia retornar ao Pai. No cemitério, momentos após descer à sepultura, fechei os olhos e as lágrimas brotaram em profusão. 
         
    Senhora, confesso, doeu muito; mas pude contar com vosso amor sem fim, sempre vigilante, fortalecendo o meu coração.
        Hoje, Santa Senhora, realizamos mais um Círio; o 65º desta Vila-Cidade que vive sob a égide de vosso coração imaculado. Mas uma vez a imagem, a vossa imagem santa e inconfundível, acomodada carinhosamente na berlinda, caminhará pelas ruas de Icoaraci conduzida por este povo que vos ama.
      Hoje, como sempre ocorreu nesses 13 lustros, todos serão um em torno na mesa do Pai Celestial, tendo vós, Ó Maria, como Medianeira. Hoje não haverá credos discrepantes: a fé deste povo em vós, Mãe Santíssima, dominará todos os corações.
         Finalmente, Maria - Virgem e Mãe, Medianeira de Todas as Graças, juntamente com Jesus Cristo - Nosso Senhor e Nosso Deus e Nosso Único, Todo e Suficiente Salvador - rogo-vos, humildemente, numa prece fervorosa, que faça descer as suas graças e abençoe o povo da minha Vila Sorriso, cuja fé conheceis, e que hoje é renovada na piedosa caminhada do Círio; abençoe  a minha Telma Maria Menezes; abençoe o Luís Eduardo, o Adelmo, a Ágatha Yohana nossos filhos; minha sogra e segunda mãe, Terezinha de Jesus Sales; D. Conceição Avelar, meus parentes, amigos e tantas outras pessoas que me querem bem, em especial, Ana Amélia, Ana Gabriela, e Sergio Roberto Ramos de Oliveira Filho, Lucas Gabriel, Daniele e Ana Louise - esposa, filhos e netos de Sérgio Ramos - para que, possamos, num uníssono,  proclamá-la eternamente Rainha do Céu e da Terra.
        Mãe Senhora e Medianeira de Todas as Graças, peço-vos fervorosamente, cuide da minha vida, cuide de mim e do meu amor.
 Daí pureza à minha alma e convicção à minha fé. Amém.
_______________________________

(*)  Aldemyr Feio é Advogado,  Jornalista,  Publicitário e Relações Públicas; editor do jornal O ESTADO; membro das Academias Paraense de Jornalismo e de Letras Interioranas; Há 11 anos edita este blog.




Nenhum comentário: