7/20/2012

RAY CUNHA




O tucano sem o seu penacho. Ou a curra (sem cuspe) nos brasileiros







BRASÍLIA, 19 de julho de 2012 – Sempre achei intrigante o comportamento público do governador tucano Marconi Perillo. Muito retraído. Entrevistei-o em 2010, senador e pré-candidato ao governo de Goiás, que, no seu primeiro governo, tirou da Idade Média. Empossado governador, seu discurso lembrou-me o do ex-governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda, que, enquanto não foi flagrado - e quadrilha, numa roubalheira impressionante, embora distante um abismo da ladroagem do Mensalão -, era considerado o mais eficiente governador do Brasil, atrás somente do então governador de Minas Gerais, o tucano Aécio Neves, virtual candidato à presidência da República, cargo que provavelmente disputará com Lula (PTMDB), em 2014.
Certa vez, quando Arruda era deputado federal, após renunciar ao Senado, também por safadeza, entrevistei-o para o site ABC Politiko. O homem deu uma aula sobre a Zona Metropolitana de Brasília, mas nunca pôs sua teoria em prática. É pós-doutorado em rapapé.
Voltando a Marconi, acho que desde a campanha, em 2010, ele já andava preocupado com o gangster Dom Carlinhos Cachoeira. A vida secreta das pessoas, principalmente públicas, podem significar pesos tão grandes que as deixam mancas, não literalmente, mas no nível mental. Seus olhos, ou sua expressão fisionômica, é que se curvam, e o máximo que conseguem são sorrisos apagados. Nunca gargalhadas cristalinas. Quando muito, o riso estridente da bacanal. Marconi tem um sinal na testa. Como a mão do ex-governador do DF, Joaquim Roriz; quando Roriz falava em público, seus dedos lembravam garras, iguais as do bispo Edir Macedo.
Conforme investigações da Polícia Federal (que vem realizando um trabalho magnífico, republicano, e se houve aparelhamento nesse trabalho foi um tiro no pé dos “companheiros”), Marconi Perillo mantém relações com Carlos Cachoeira. A vida do cidadão Marconi Perillo só interessa a ele e à sua família, mas a vida do governador Marconi Perillo pertence a todos os goianos. Há práticas que homens públicos não devem, de jeito algum, exercitar, como, por exemplo, patrimonialismo e nepotismo, nem jantar com mafiosos, porque gangster rouba sem dó nem piedade, dinheiro que poderia reduzir a ignorância, a miséria, a fome e a matança no Brasil.
O julgamento do Mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), a CPI do Cachoeira (um tiro no pé de Lula e, por extensão, do PTMDB, e do valentão Fernando Affonso Collor de Mello), a bacanal permanente que é o Senado dos atos secretos de Zé Sarney e a Câmara dos Príncipes, a débâcle da indústria brasileira, tudo isso mostram, aos gritos, que o Brasil não precisa de um novo Hugo Chávez, o ladrão venezuelano, mas da reforma do Estado. Ou de revolução. Aquela, se dá pelo pacto social. Esta, é sempre sangrenta.

Nenhum comentário: