5/16/2011

Um mês sem Hélio Gueiros





Lembro que a participar do

cortejo que levava o nosso querido Hélio Gueiros à sua definitiva morada, imaginei que estivesse participando de mais uma carreta, das tantas que participamos ao longo da sua longa e vitoriosa e admirável trajetória política, quando o povo que ele tanto representou e defendeu, o elegeu seu Deputado Estadual. Federal. Senador da República., Governador do Pará e Prefeito de Belém.

Conhecia uma nova sensação, um sentimento estranho. Uma mistura de tristeza e alegria: tristeza, pela sua perda irreparável e pela saudade que sempre vamos ter, por não tê-lo mais ao nosso lado; alegria, por entender que estava participando da solenidade de posse de seu novo mandato e este sim, o mais importante de todos, pois era o nosso Pai Celestial que o tinha escolhido para estar ao Seu lado como reconhecimento do dever cumprido, de quem soube tão bem e como poucos, honrar os mandatos que o povo lhe confiou, bem como ter sido o filho, o pai, o irmão, o esposo, o avô, o tio, o cunhado, o genro, o sogro, o chefe, o patrão, o amigo e o grande defensor dos interesses do Pará e de todos os paraenses, que foi.

Se eu pudesse fazer uma simples comparação em uma singela homenagem em sua memória, nestas poucas palavras, ainda que um pouco exagerada, para alguns, eu diria: no Pará, na política, se Magalhães Barata pudesse ser comparado como sendo o avô dos paraenses, Hélio Gueiros, como baratista e tendo herdado o mesmo estilo de fazer política e o zelo pela coisa pública, teria sido um paizão para todos os paraenses, principalmente pros mais humildes que ele tanto respeitou e defendeu com tanto zelo e determinação (sem desmerecer as eminentes lideranças políticas do Pará de ontem e de hoje, no cenário local e nacional).

Quem o conheceu sabe do seu amor, respeito e sua dedicação por Belém, pelo Pará, seu povo, seus eleitores, seus amigos, sua família.

Assim, por este ângulo, neste sentido, nós paraenses, perdemos um paizão, de quem mais uma vez me despeço, dizendo: obrigado Hélio Gueiros.O Pará te agradece. Muito Obrigado.

Descanse em Paz. merecidamente, paizão.

Waldo Gueiros

Transcrito do Diário do Pará – 15.05.2011

Nenhum comentário: