6/09/2008

José Wilson Malheiros


MERECEMOS MAIS IMPOSTOS?

Estamos às vésperas da recriação de uma CPMF. Tudo porque, segundo o governo, o Congresso votou uma lei orçamentária que aumenta os gastos com a saúde. E pra gastar mais com a saúde precisaria de mais dinheiro.
O que esse pessoal teima em esquecer é que o Brasil tem batido recordes de arrecadação, que há dinheiro de sobra até pra pagar a dívida externa, e até mesmo pra inventar um "fundo soberano" de financiamento pra dar uma ajudinha para investidores estrangeiros, além ato de que já pagamos uma das maiores cargas tributárias do mundo.
Para sermos objetivos, pagamos impostos como um país do primeiro mundo e recebemos serviços do terceiro mundo.
Seríamos ingênuos se disséssemos que o povo deveria fazer uma desobediência civil e deixasse de pagar impostos. Não é por aí. Mas, preste atenção ao redor de você, no noticiário da imprensa etc e observe.
Você tem segurança garantida pelo Estado? Você se sente seguro ao sair de casa para trabalhar, passear, fazer compras etc?
A nossa saúde pública garante um tratamento digno – coitado do pessoal lá embaixo da pirâmide social – sem que precisemos recorrer aos famosos e caros planos de saúde?
Você e seus filhos têm educação garantida pelo Estado, sem precisar passar horas e horas nas filas intermináveis, sem suportar greves e mais greves por causa dos salários humilhantes, tanto a nível federal, estadual ou municipal?
Em grande parte você vê assistência aos desamparados vinda do Estado, sem demagogia?
Pois é. Tudo isso e muito mais, são obrigações do Estado e direitos seus, previstos na Lei Maior do país, a Constituição Federal.
Tudo isso são OBRIGAÇÕES DO ESTADO, garantidas na Constituição.
Todos nós, brasileiros, temos participação no futuro do Brasil, seja de forma voluntária ou omissa. Esse é o nosso karma coletivo, e não adianta apenas pagar seu imposto e achar que já fez tudo o que podia pelo Brasil, quando a maioria das pessoas ao seu redor ainda estão "anestesiadas" com tanta corrupção, e conformadas com o fato de que "tudo aqui é bagunçado mesmo, não adianta reclamar, vou anular meu voto", etc, etc.
Mas, calma lá, pois o mau funcionamento da máquina pública para atender os cidadãos, principalmente os pobres não é só privilégio do Brasil.
Na Inglaterra a pessoa que vai ao hospital recebe o atendimento e os medicamentos de graça, e ainda existe um guichê que lhe dá o dinheiro da passagem de volta pra casa, caso não tenha dinheiro. E lá a carga tributária é menor que a do Brasil. Na França há um doutor que vai de carro até sua casa, em casos de emergência. Quanto ele cobra? Nada. Saúde é um direito do cidadão, e ele JÁ paga isso nos impostos (que são maiores que os do Brasil, mas aqui o serviço até que é parecido, né?). Já os EUA gastam trilhões anualmente com bombas pra jogar no Iraque, mas o cidadão norte-americano não tem direito a um atendimento digno no sistema público de saúde (especialmente se for negro e pobre), tendo que se submeter (assim como nós) à ditadura dos planos privados de saúde. Então não é questão de dinheiro, e sim de VONTADE dos governantes e EDUCAÇÃO do povo em conscientizar-se e reivindicar seus direitos.

_______________________
jwmalheiros@hotmail.com

Um comentário:

Anônimo disse...

brilhante, mesmo, lúcido, este comentário do mestre Malheiros.