12/09/2011

LUIZ SOLANO. O Repórter do Planalto


COMBATE AO CRACK


O novo plano que o Governo Federal lançou para combater o uso do crack, com investimento estimado em R$ 4 bilhões, prevendo medidas nas áreas de saúde e segurança pública, trouxe uma polêmica: a internação compulsória de dependentes. Segundo o ministro da Saúde, Alexandre Padilha será criado 308 "Consultórios de Rua", com médicos, psicólogos e enfermeiros, que farão busca ativa de dependentes e avaliarão, com consentimento do usuário ou involuntária, contra a vontade de paciente.
De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria, no País há três tipos de internação: a voluntária, com consentimento do paciente; a involuntária, no caso de menores de idade ou pacientes em crise; e a compulsória, quando a Justiça determina a internação. No caso de internação involuntária, o hospital deve comunicar o Ministério Público estadual em até 72 horas.
O ministro Padilha justificou que a Organização Mundial de Saúde e o Estatuto da Criança e do Adolescente já preveem a internação involuntária. É pelo menos um bom começou para acabar essa praga que está matando os nossos jovens.•


ESTADO TERMINAL


O ex-ministro José Dirceu diz que a oposição no País está em estado terminal. Acusa a imprensa de conspirar contra o PT e dá a entender que com eles ninguém pode. O antigo chefe da Casa Civil acaba de decretar a "lulopetismocracia".
Tudo indica que será a edição brasileira do conhecido PRI mexicano, que lá ficou por 70 anos no poder. Seria isso um pesadelo ou verdade mesmo? Que todos fiquem de olho aberto para essa posição do ex-chefe do mensalão brasileiro.


INIMIGO DO FUNCIONÁRIO


O ministro da Fazenda Guido Mantega, avisa: "os pedidos de aumento para os funcionários dos três poderes são uma ameaça à estabilidade das finanças do País".
Noutro tópico, sobre o empréstimo a ser feito ao FMI, para salvar os países "atingidos pela crise da zona do Euro", adianta: "Não colocaremos recursos no resgate de europeus sem que eles próprios coloquem os deles". Parece uma brincadeira de mau gosto. Para o FMI tem dinheiro sobrando. O reajuste dos funcionários coloca em risco a economia brasileira.
É só que faltava.


GOLPE DE MESTRE


Ricardo Teixeira se superou ao nomear como seu porta-voz no comitê organizador da Copa do Mundo de 2014 o empresário e ex-jogador, Ronaldo Fenômeno.
Um golpe de mestre.
Ricardo Teixeira ao fazer isto voltou a ter acesso aos lugares famosos onde estava sendo sutilmente boicotada a sua presença, tais como o Palácio do Planalto.
Ronaldo declarou a este repórter que vai ser a voz do comitê graças à sua carreira e à credibilidade que tem juntado ao povo brasileiro. Disse, também, que o governo gasta muito dinheiro em saúde e segurança, mas que não se faz Copa do Mundo com hospital.
Uma declaração digna de um porta-voz do mestre Ricardo Teixeira.
Como nunca é aconselhável ultrapassar o limite possível das nossas ideias no mundo das suposições, vamos aguardar para ver até onde vai à validade da credibilidade popular do Ronaldo Fenômeno.


TEM QUE EXPLICAR


Esse incidente que ocorreu no gabinete do deputado Paulo Tadeu, o "primeiro ministro" do Palácio do Buriti", tem que ser explicado direitinho. O soldado da Policia Militar, João Dias, que foi o causador da saída de Orlando Silva do Ministério do Esporte, foi até ao Palácio do Governo, para devolver, a importância de 200 mil reais, que segundo João Dias, lhe foi oferecidos para ficar calado sobre a corrupção no Governo do Distrito Federal.
O interessante nessa história, é que ao falar para imprensa, Paulo Tadeu disse que não tinha qualquer ligação com o policial denunciante.
Você acredita? Eu não acreditei.


MEMÓRIA FRACA


Por que será que nós eleitores, na época das eleições esquecemos muito rápido do que a grande maioria dos políticos faz quando estão em cargos públicos?
Veja o exemplo de José Dirceu, que teve o seu nome manchado com a corrupção. Na hora de votar, nós eleitores, esquecemos-nos do que eles fizeram e acabamos votando novamente neles e, assim, eles retornam aos seus cargos políticos e começam tudo novamente.
Será que somos masoquistas, ou temos memória curta? Veja-se o exemplo de muitos que retornaram, e estão ai no Congresso, ou nas Câmaras de Vereadores; ou mesmo nos governos estaduais... Quando não conseguem meter as mãos no dinheiro público, eles colocam as primeiras-damas para fazê-lo.
Isto é o Brasil.

Nenhum comentário: