2/23/2009

Casa em que viveu Antônio Tavernard está em ruínas

Imóvel onde viveu o poeta está entregue ao abandono total

Apesar da sua importância histórica, imóvel está preso entre trâmites burocráticos do governo

A casa onde morou o poeta icoaraciense Antônio Tavernard, conhecida pelos moradores de Icoaraci como “Casa do Poeta”, encontra- se em completo abandono. Apesar das comemorações e homenagens dadas ao autor durante a Feira Pan-Amazônica do Livro, no ano passado, nada foi feito para restaurar a casa onde ele viveu, localizada na rua Siqueira Mendes, esquina com a travessa São Roque.
Das paredes em estilo colonial, só restam escombros e colunas que mal se sustentam. Portas e janelas já vieram abaixo pela ação do tempo. O mato tomou conta de todo o interior do imóvel, com raízes espalhadas naquele que deveria ser um patrimônio histórico preservado, um testemunho da vida e obra do autor e também um dos tesouros históricos de Icoaraci, que a cada ano vê seus casarões desaparecerem nas estações chuvosas.
O ator e estudante universitário Evanildo Mercês desabafa ao relatar o estado da edificação. “Essa situação é um desrespeito à sociedade paraense. A casa que deveria ser, pela sua forte simbologia, um espaço dinâmico da linguagem literária ou de realização de atividades artístico-culturais permanentes não passa de ruínas invadidas pelo matagal da área que cresce a cada dia, destruindo os restos mortais do prédio, dando, ao mesmo tempo, lugar a uma paisagem urbana desastrosa, fedida e aterradora”, diz ele.
Entre os moradores que frequentam as proximidades do local, é comum perceber movimentações de mendigos e assaltantes, que utilizam o terreno como ponto de esconderijo durante a noite.
Procurados pelo Diário do Pará, os órgãos públicos apontam possíveis motivos para a situação da velha casa. Segundo a assessoria da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), a casa do poeta foi repassada à Secretaria de Segurança Pública (Segup) ainda na administração anterior. Durante esse período, a casa ficou sem nenhuma manutenção. Ainda de acordo com a assessoria, a Secult está começando um processo de negociação com a Segup para retomar o imóvel e, desta forma, realizar um projeto de revitalização. A Segup também foi procurada pela equipe de reportagem, mas até o fechamento desta edição não obteve resposta.
A questão é que o imóvel, de grande importância histórica está preso entre os trâmites burocráticos do poder público. Se o governo não as- sumir a responsabilidade pelo local, não sobrarão nem as colunas da casa como testemunhas da história do poeta. Aliás, a casa está tão deteriorada, que só é possível reconhecê-la graças a uma placa trilíngue (em português, inglês e francês) com os seguintes dizeres: “Casa do Poeta Antônio Tavernard. Casarão antigo do século passado”.

______________
Diego Andrade
Diário do Pará ● 23/02/2009

2 comentários:

Guigamer13br disse...

Importante é a luta pela preservação do patrimônio histórico assumida pelo Jornal do Feio, que com um trabalho árduo vem tentando, junto ao poder público, estimular um maior cuidado e um olhar mais atento pela história do povo Icoaraciense.
Parabéns aos que fazem o Jornal do Feio.
Apolo da Caratateua.

Guigamer13br disse...

Importante é a luta pela preservação do patrimônio histórico assumida pelo Jornal do Feio, que com um trabalho árduo vem tentando, junto ao poder público, estimular um maior cuidado e um olhar mais atento pela história do povo Icoaraciense.
Parabéns aos que fazem o Jornal do Feio.
Apolo da Caratateua.