12/27/2008


O casulo exposto


Segue-se trecho do conto policial A caça, uma das 17 histórias curtas que integram meu novo livro, O casulo exposto, que a LGE Editora distribuirá para todo o Brasil em janeiro. Os contos são ambientados em Brasília, exceto Inferno verde e A caça - naquele, a ação se passa também na Amazônia; neste, parcialmente em Buenos Aires. O casulo exposto funciona como um golpe no ventre da borboleta, o Patrimônio Cultural da Humanidade, revelando suas ruas, seus becos, seus subterrâneos, e as criaturas que os habitam - párias, estupradores, assassinos, bandidos disfarçados de políticos, jornalistas teimosos...


Que tal um sarau com Saramago?
A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, sediada em Lisboa, precisa ter um escritório em Brasília. Não faz sentido não tê-lo, pois o Brasil, sozinho, tem mais falantes lusófonos do que todos os demais países da CPLP juntos, bem como seu PIB é maior do que o dos demais somados, e o volume de comércio implementado pelo Brasil é também maior do que o total do restante dos membros da comunidade.



Perfume em mulher lindíssima
Quando o Natal vem chegando, as manhãs nascem como música e a tarde morre docemente, e as noites são povoadas de amor. Neste Natal, lançarei ao Éter o propósito de fazer sorrir as crianças à minha passagem e os jasmineiros chorar perfume.



Terno de linho
Descobri que todos os ternos prêt-à-porter, decentes, são agora fabricados de lã fria, são caros, abertos como pára-quedas, com abas nos bolsos e de cós curto, e as gravatas, largas como lenço.



Para que serve, mesmo, o novo acordo ortográfico?
A língua portuguesa não será unificada, continuará com dupla grafia e sintaxe. O que ocorrerá será um caos, pois até mesmo professores levarão anos para metabolizar as mudanças.

Tacacá
Algumas vezes, o tacacá esteve tão saboroso que quase se nivelou ao da banca do Colégio Nazaré, e o jambu me remete ao fim da tarde, em Belém, suave e excitante. Por isso, certos dias, em Brasília, reservam-me sabores preciosos, e nas noites calorentas perfume de jasmineiros grávidos invadem minha casa, e eu ouço merengue e leio Fernando Canto.

Mulheres lindas
É cansativo obter prazer sexual com o recurso da imaginação, como ocorre no exercício onanístico. Ver mulheres bonitas é, de certa forma, como apreciar um jardim enorme, derretendo-se em cores, como um vulcão, sob chuva de beija-flores e borboletas azuis.

Embaixador de Portugal conclui missão em Brasília
Francisco Seixas da Costa se revelou refinado observador, que, sem utilizar a linguagem chove-não-molha, típica dos diplomatas, expõe suas observações diretamente e com sinceridade, mostrando que não representou seu país no Brasil como mero burocrata graduado, mas como membro legítimo da intelligentsia de Portugal.

Poesia
Não havia nada de errado comigo. A única coisa errada era aquela jovem de beleza impossível, ali, a três metros de mim, me olhando fascinada. Eu deveria lhe parecer uma personagem de ficção, ou ela se apaixonara por um velhote e estava se lembrando dele, através de mim. Sim, porque seu olhar era tão intenso que parecia entrar em mim e atravessar-me.

Relicário
Estou exilado em Brasília, cidade estrangeira e anti-séptica aos micróbios da paixão, contudo, dentro do meu coração existe um relicário cheio de cheiros, sensações, sons de Macapá, meu primeiro poema, que escrevi para uma ninfeta, a casa do poeta Isnard Lima Filho, gim inglês, que bebi com Fernando Canto, o marulhar do rio Amazonas se confundindo com a circulação do sangue nos tímpanos.

===========
Ray Cunha
=========

Um comentário:

Anônimo disse...

Oi Ray,

Que bom que você voltou com os seus textos inteligentes.
Saudações amapaenses.
Um abraço.