5/27/2009




Rosas

Aproximo-me das rosas com fé, e elas, tão frágeis, inundam-me de alegria na queda e no voo no abismo do mistério. Sempre acreditei que Deus quando arruma a manhã para as crianças lança mão das rosas.

Os petistas extirparam do seu pensamento a possibilidade de perder o osso: cerca de 80 mil petistas empregados, o Estado aparelhado, as tetas prenhes de reais da Petrobras e demais estatais, enfim, 70% por cento dos escorchantes impostos brasileiros.
O Brasil é um país tão maravilhoso que nem os ladrões e assassinos travestidos de políticos, que conspurcam o esgoto onde chafurdam, conseguem esgotá-lo, apesar de estarem grudados nas suas veias.
Este conto foi publicado no livro O casulo exposto, 17 histórias curtas ambientadas em Brasília - nos subterrâneos, nas ruas, nos shoppings e no submundo político da capital. O casulo exposto está à venda nas redes de livrarias.
Insulto

Quando os jornalistas de ponta começam a escarafunchar as bicheiras dos políticos safados, eles fazem como macaco-prego, jogam suas próprias fezes nos jornalistas, e aí revelam cem por cento o que realmente são. Mas a imprensa está vasculhando a vida de todo mundo que administra dinheiro público.

A Humanidade é isenta de pecado

A Humanidade é filha de Deus; todos os seres humanos são perfeitos. Ninguém é pecador. Quando uma pessoa se ilude se corrompendo, cometendo crimes, visando somente bens materiais e mais e mais dinheiro, até matando para obter bens, essa pessoa está mergulhada na escuridão. Contudo, se faz-se luz, as trevas desaparecem instantaneamente. Assim é com a mente. É disso que trata um livro extraordinário, A Humanidade é Isenta de Pecado, compilações de excertos que Kamino Kusumoto fez da obra fundamental da Seicho-No-Ie, A Verdade da Vida, de Masaharu Taniguchi.
Anoitecer outonal em Brasília

Em julho, quando, na Amazônia, corpos seminus cobrem inteiramente as praias, na plenitude do verão amazônico, em Brasília, o inverno atinge seu ponto culminante. Durante as frentes frias, oriundas da Antártica, e que logram chegar, aqui, as manhãs são geladas, e, se venta, os transeuntes se curvam ao vento e ao frio, envolvidos em casacos, xales e na névoa do frio.

Confraria Candango

Segue-se conto que integra meu novo livro, O casulo exposto (LGE Editora, Brasília, 2008, 153 páginas, R$ 28), com 17 histórias curtas ambientadas no submundo de Brasília, inclusive o político. No Brasil, o livro pode ser encontrado em todo o país, em redes de livrarias como Leitura e Saraiva, além da loja virtual da LGE Editora, no endereço: http://www.lojalge.com.br/. Em Portugal, O casulo exposto ainda não tem distribuidor. Interessados deverão entrar em contato com o editor Antonio Carlos Navarro, pelo telefone (55-61) 3362-0008 ou e-mail lgeeditora@lgeeditora.com.br.

O resultado do exame de câncer

Este conto participou do Primeiro Desafio aos Contistas, promovido pelo Núcleo de Literatura do Espaço Cultural da Câmara dos Deputados, em 2007. Trata-se da história de uma jovem cancerosa à espera da morte. Contudo seu pai lhe ensinara que o éter, que tudo preenche, é Deus, e a Fada Azul lhe disse que não existe morte; no Universo, há somente vida.

Os ratos

A democracia só tem um caminho: crescer. Ou a democracia põe fim à bandalheira dos ratos, ou os ratos roerão a cara dos brasileiros.

Nenhum comentário: